Porque toda a vida importa: uma contribuição no combate a Covid-19

Faz algum tempo que tomei a decisão de não trabalhar mais com jornalismo. Mas aí veio a Covid-19 e, bom, é difícil para alguém que cobriu todas as eleições nos últimos 10 anos, múltiplas decisões de campeonatos e toda a bizarrice que ocorreu na História recente do Brasil ficar em casa nesta hora. Pela primeira vez em muito tempo tenho sentido falta de trabalhar em redação, não tanto pelo trabalho, mas pela vontade de ser parte da ação e não ficar parado assistindo aos acontecimentos na televisão de casa. (Sim, eu sei, ficar em casa é importantíssimo nesta hora e tenho me apegado a isto).

Foi então que, na semana passada, depois do vazamento daquela gravação em que dois lamentáveis deputados federais eleitos pelo Rio Grande do Sul discutiam qual seria o número de mortos pelo coronavírus (como quem aposta no resultado do Gre-Nal), que decidi criar algum tipo de conteúdo onde eu pudesse, de alguma forma, me engajar no combate a esta pandemia.

Em pouco menos de três dias coletei informações, montei uma base de dados e programei a página Toda vida importa, uma espécie de memorial para centralizar informações das vítimas da Covid-19 no Rio Grande do Sul.

É o que posso fazer, sentado, em casa, para ajudar a conscientizar quem ainda não entendeu que vivemos uma crise de saúde pública grave. E também uma reação a estes políticos e empresários que parecem não ter nenhum respeito pelas vítimas da doença e suas famílias.

O endereço do site é jornalismodigital.jor.br/covidrs.

Este texto foi publicado originalmente na rede social LinkedIn, em 18 de abril de 2019.

Paulo Serpa Antunes Escrito por

Jornalista especialista em jornalismo digital, mestre em Comunicação Social pela PUCRS, com passagens pelas redações de Zero Hora, UOL e Jornal do Comércio. É diretor da Associação Riograndense de Imprensa (ARI).